• 211020 banner
  • 20211022    SS Justina Fachini
  • Outubro Rosa
  • Inscrição para seleção da Câmara Mirim 2022
  • Inscrição para seleção da Câmara Mirim 2022
  • Audiência Pública
Imprimir
PDF

Mães reclamam da falta de atendimento a pacientes com autismo

Publicado em Notícias - Comissões

Saúde

O atendimento a pessoas com transtorno do espectro autista foi o assunto da reunião desta quarta-feira (6) da Comissão de Saúde, presidida pelo vereador Kiko do Restaurante (PSD). Mães de crianças e jovens com autismo reclamam que a espera por atendimento tem sido grande. Elas relatam ainda que o tratamento de pacientes com autismo só é feito até os seis anos de idade, exceto em casos mais graves.

Na visão do vereador Maurício Peixer (PL), que propôs o debate para saber do Executivo como é a política de atendimento aos pacientes com autismo, ficou claro na reunião que o Núcleo de Atenção Integral à Pessoa com Deficiência Intelectual e Transtorno do Espectro do Autismo (Naipe) precisa de aparato melhor para atender os pacientes com transtorno de espectro autista. O vereador Cassiano Ucker (Cidadania) opinou que não se pode abandonar os pacientes após uma certa idade, tendo em vista que o transtorno do espectro autista não tem cura.

Para a mãe de criança com transtorno do espectro autista, Roseane Leite, se o atendimento é interrompido, a criança pode ter retrocessos em seu tratamento. Vania Schimerski, também mãe de um paciente com autismo, afirmou que o Naipe chega a ser insalubre, porque, apesar dos esforços dos profissionais de saúde, não têm estrutura para atender os pacientes. Ela também reclamou que as famílias têm dificuldades de deslocamento até o Naipe. Outra mãe de paciente, Viviane de Souza opinou que o atendimento para pacientes com autismo precisa de ajustes.

A coordenadora do Naipe, Gislaine Batista, explicou que os protocolos de atendimento do Ministério da Saúde priorizam o atendimento de 0 a 3 anos, porque é necessário garantir a estimulação precoce. Após isso, o atendimento até os seis anos também é feito, mas muitas vezes depende da capacidade da unidade de saúde. Segundo Gislaine, há cadastramento para instituições que tenham interesse em atender pacientes com autismo acima de seis anos, que a rede pública não tem consegue atender, mas em Joinville não há instituições que se enquadrem.

De acordo com a coordenadora, o Naipe tem uma equipe de 40 profissionais, quantidade que não seria suficiente. Existe uma lista de espera de 126 pacientes esperando o primeiro atendimento e mais 479 esperando as terapias, que deveriam acontecer de modo continuo, com atendimentos semanais.

Texto
Jornalismo CVJ
Foto
Mauro Artur Schlieck
Edição
Josi Tromm

Notícias Relacionadas


Se você quer fazer uma correção, sugestão ou crítica, envie um e-mail para Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

Portal da Transparência

Você pode acompanhar toda a prestação de contas da Câmara de Vereadores de Joinville por meio dos menus ao lado. Para mais informações, com base na Lei de Acesso à Informação, utilize o e-mail.

transparencia@cvj.sc.gov.br